O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|

Jardim pede ajuda ao Continente e a Bruxelas por causa do mau tempo

06 nov, 2012

"O que eu preciso é de dinheiro", disse Jardim ao ministro da Administração Interna, Miguel Macedo.

O presidente do governo regional da Madeira anunciou que vai pedir ajuda ao Continente e à União Europeia para enfrentar os prejuízos causados pelo mau tempo que fustigou o arquipélago. 

Apesar de não estarem ainda contabilizados, Alberto João Jardim admitiu que "os prejuízos são grandes" e adiantou que já contactou o Governo da República, através do ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, que perguntou o que era preciso. "Eu disse 'olha, o que eu preciso é de dinheiro'", contou Alberto João Jardim durante a visita que realizou às zonas mais atingidas pelo mau tempo.

As chuvas fortes e constantes têm afectado a região, em particular a costa Norte. Há registo de inundações em várias residências e ferimentos em cinco pessoas e os últimos dados apontam para pelo menos 56 desalojados. O mau tempo também provocou danos em estradas, em viaturas e em explorações agrícolas, devido ao transbordo de pequenos riachos.

Jardim disse que fez um alerta "há um ano e meio, por altura do anterior congresso do PSD/Madeira", de que a Madeira iria sofrer "importantes alterações climáticas". "Nós vamos ter meses mais quentes e meses de maior pluviosidade do que o habitual. Vamos estar sujeitos a uma evolução climática que é preciso ter presente", referiu.

Alberto João Jardim sustentou que o arquipélago tem vindo a adoptar medidas preventivas face às alterações climáticas, entre as quais a inauguração da estrada que atravessa a parte mais alta das serras de Santo António e de Câmara de Lobos, que "já está toda equipada contra fogos florestais".

"As principais ribeiras, neste momento, estão a resistir muitíssimo bem, apesar de ter sido uma coisa quase com a intensidade de 2010", observou, referindo-se ao temporal que afectou a região em Fevereiro de 2010 e que fez 43 mortos e seis desaparecidos.

O governante referiu-se ainda "aos patetas que andaram a dizer que não se devia fazer um centro de saúde em cada freguesia", para argumentar que várias pessoas não morreram devido à existência desse centros em diferentes locais.

O tempo na Madeira tem tendência para melhorar, apesar de ainda continuar a precipitação, informa o Instituto de Meteorologia.